No blog http://tinformando-meus-blogues.blogspot.com.br/ encontrará o meu espaço web

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Professores - o salário é justo?

O contribuinte paga
O pagador de impostos, taxas, carimbos etc. paga os salários dos funcionários públicos.
A burocracia clássica que nos aflige resulta em custos elevadíssimos, inclusive na jurisprudência formalista que favorece tremendamente os piores criminosos. Nossas Leis são incrivelmente numerosas e românticas ou favoráveis aos bandidos. A preocupação em favorecer a geração de tratados que se repetem a cada processo, praticamente repetindo lógicas e frases de outros processos, a oportunidade de quem julga valorizar este ou aquele detalhe, somando-se isso ao formalismo puro e simples criam clima de impunidade àqueles que podem dispor de bons advogados. O custo extravagante desses processos é fora de sintonia com o que seria minimamente necessário aos serviços essenciais, sempre carentes de decisões rápidas e previsíveis, geram um peso que só não é moralmente pior se comparado ao ambiente parlamentar, onde os resultados deploráveis levam-nos a questionar a validade de sua existência [1].
Sempre é bom lembrar que a qualidade da democracia é diretamente proporcional ao padrão de justiça exercido sobre as pessoas mais humildes.
Nesse universo de normas e padrões de serviços incompatíveis com a nossa realidade encontramos o oposto, uma multidão de funcionários públicos que trabalham arduamente, arriscam suas vidas e por exaustão do “bolo fiscal” (dividido entre a corrupção, os salários privilegiados, o inchamento da máquina pública com “aspones”, a utilização de padrões de serviço incompatíveis com nossa realidade e as facilidades inacreditáveis dos especuladores da moeda, esquecemos alguns?) vemos que policiais e professores, por exemplo, ficam com as migalhas.
Palestrando num colégio estadual ouvi de um aluno que simplesmente não se comportava que ele tinha o direito de fazer o que bem entendesse. Seu pai havia lhe ensinado que no colégio as professoras seriam pagas pelo contribuinte e assim deveriam aceitar sua má educação. A agressão moral é rotina, a física talvez tenha algum paliativo com o PLS 191/2009 [2].
Com perplexidade respondi talvez ofendendo alguma lei, mas a resposta malcriada e sincera do aluno, um garotinho de 10 a 12 anos, foi esclarecedora e importantíssima.
Quantos bons funcionários públicos, em qualquer de nossas instituições, são obrigados a ouvir ou sentir de nosso povo essa afirmação, como que justificando comportamentos inadequados? Têm a proteção de leis que aparecem nos anunciadas em guichês e painéis que também estão sujeitos a um código de ética [3].
E o salário dos professores e professoras, gente que não pode faltar, sair, enganar como muitos outros, que enfrenta salas de filhos de pais de qualquer tipo, é justo?
Com certeza nas escolas públicas encontramos milhões de trabalhadores valentes, corajosos, dedicados, nossos heróis.
E a situação dos policiais? Ouvimos de um policial que ao prender um bandido ele sai da delegacia, rotineiramente, mais depressa do que eles (policiais) chegam à cadeia... A impunidade é a regra e assim a população se vê obrigada a respeitar criminosos, famílias agressivas, a educação hostil.
Nesse momento em que o Brasil gasta demais para manter luxos e serviços mal estruturados e caríssimos deveríamos pensar mais numa corporação que não faz greve por amor às crianças.
O futuro do Brasil sempre esteve e estará, como em qualquer lugar do mundo, nas crianças.
Se teremos um futuro melhor é graças a gente que usa toda a sua criatividade, saúde, amor e capacidade de dedicação a cuidar de crianças que saem de suas casas sem educação adequada, dispostas a desperdiçar um tempo que seus pais não ensinou a valorizar.
Cascaes
3.9.2013
[1]
H. Arendt, Sobre a Revolução, São Paulo: Companhia das Letras.
[2]
A. Senado, “Medidas de proteção ao professor contra violência serão examinadas pela CDH,” Senado federal - Portal de Notícias , [Online]. Available: http://www12.senado.gov.br/noticias/materias/2013/02/04/medidas-de-protecao-ao-professor-contra-violencia-serao-examinadas-pela-cdh.
[3]
“Código de Ética dos Servidores Publicos - Lei 8027/90 | Lei nº 8.027, de 12 de abril de 1990,” JusBrasil, [Online]. Available: http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/108888/codigo-de-etica-dos-servidores-publicos-lei-8027-90.







Nenhum comentário: